Uma câmera na mão e um breve conhecimento na cabeça. Ou quase isso...

Parafraseando Glauber Rocha:"Uma câmera na mão e um breve conhecimento na cabeça". Ou quase isso.../Desde Fevereiro de 2015.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

CHUVAS EM CHAPADA DO NORTE MG NO VALE DO JEQUITINHONHA AUMENTAM VOLUME DE RIOS, AMENIZAM A CRISE HÍDRICA E LEVAM ESPERANÇA Á MORADORES.

O mês de Janeiro de 2016 trouxe a partir da sua segunda quinzena a tão aguardada chuva, que tanta falta faz ao povo do Vale do Jequitinhonha. A seqüência de dias chuvosos trouxe um pouco de paz e alegria ao povo que tanto sofreu com a seca no ano anterior. O clima melhorou, o verde das matas reapareceu, o solo tão castigado recebeu pancadas de chuvas, o gado viu a pastagem reaparecer, além de amenizar os problemas da população com a crise hídrica que castiga a região há muitos meses.
Em Chapada do Norte MG o Rio Capivarí que abastece a cidade e estava seco, viu seu volume de água aumentar consideravelmente e novamente a água voltou a percorrer seu curso natural. Ao mesmo tempo em que comemora e agradece a Deus ás bênçãos recebidas com a chuva e o aumento do volume de água, a população chapadense mostra-se preocupada com a ausência de um sistema que represe a grande quantidade de água no Capivarí nestes dias finais do mês de Janeiro.
Os moradores chapadenses sonham com uma represa que armazene a água por um longo período e auxilie no abastecimento de água nos meses seguintes. Mas infelizmente por enquanto é comum assistir o Rio Capivarí com enorme volume de água no período chuvoso e posteriormente vê-lo diminuindo rapidamente assim que cessam as chuvas, até ficar completamente seco.
Ao assistir o gigantesco volume de água no Rio Capivarí através de fotografias e vídeos nas redes sociais e aplicativo de celular ou mesmo ali presente fisicamente no momento os chapadenses vivem um sentimento dúbio, de alegria e tristeza: alegria por vivenciar a obra de Deus que na sua infinita bondade faz a vida e a esperança voltar ao rio através das chuvas; e de tristeza por imaginar que as chuvas vão cessar, o rio vai secar e a falta de água vai castigar a população por muitos meses seguidos.

Embora o período chuvoso traga alguns prejuízos como: estragos maiores e a quase interdição de um trecho da BR 367, muros de adobe que caem, alagamentos em hortas e pastos, casas invadidas por água, telhados com goteiras entre outros. Mas todos são muito pequenos diante do sofrimento causado devido á falta de água nas torneiras por causa da ausência de chuvas e conseqüentemente pelo rio seco, sem água.  



































Fotos: Maurício Costa






Fotos do aplicativo WhatsAPP