Uma câmera na mão e um breve conhecimento na cabeça. Ou quase isso...

Parafraseando Glauber Rocha:"Uma câmera na mão e um breve conhecimento na cabeça". Ou quase isso.../Desde Fevereiro de 2015.

sábado, 5 de dezembro de 2015

EMERSON JOÃO COSTA (BUIÚ/BUIA/PIGUI) DE CHAPADA DO NORTE MG MORRE PRECOCEMENTE AOS 38 ANOS EM SÃO PAULO

Faleceu em São Paulo na noite de 24 de Novembro de 2015 no Hospital Municipal do Tatuapé, Emerson João Costa, vítima de complicações causada por um AVC Isquêmico de Longo Alcance. Nascido na capital paulista em 08 de Agosto de 1977 na Vila Prudente mudou-se para Chapada do Norte MG no Vale do Jequitinhonha em Dezembro de 1983. Filho de João Antônio Costa Machado (João Preto) e Maria Izabel Costa (Sinhá de Zabé). Deixa mãe, quatro irmãos: Maurício, Umberto, Ângela e Ivan de Jesus este último de um relacionamento anterior ao casamento do seu pai e um filho, Allan Gabriel, além de inúmeros amigos e familiares. Enquanto estudava desenvolveu a atividade de ajudante de pedreiro e ajudante de carpinteiro. E nas horas de folga gostava de jogar futebol no antigo campo de terra da cidade (hoje Estádio Municipal Durval Queiroga Pinto). Em Chapada do Norte recebeu logo que chegou o apelido de Buiú, uma referência á um dos personagens do programa humorístico do SBT nos anos 80. Na cidade mineira cursou da 1ª á antiga 8ª série e posteriormente o 2º grau, sempre na Escola Estadual Monsenhor Mendes. Formou-se em Magistério e com o diploma de professor na mão foi lecionar nas regiões chapadenses do Granjas do Norte/Vargem do Setúbal e São João (mas precisamente no São João Piteiras) com alunos do ensino fundamental. Ainda em Chapada do Norte participou durante anos do Grupo Teatral Curutuba comandado pelo médico e teatrólogo Dr. Joaquim Souto Filho participando de eventos como o Festivale e de uma Mostra de Teatro em Pesqueira em Pernambuco, além de várias apresentações teatrais nas cidades vizinhas.
Em 2001 retornou para São Paulo e lá trabalhou em empresas alimentícias como Calvo Atacadista e Moinho Romariz. Torcedor do São Paulo Futebol Clube, era apreciador de samba, pagode e dos Racionais Mc's, gostava de está com amigos numa boa prosa e em momentos de alegria e festividades. Curtia programas esportivos, jornalísticos, de entretenimento, documentários e filmes. Com os amigos na capital paulista recebeu um novo apelido: Buia! Entre amigas do Bairro onde morava no Jardim Iva, era chamado carinhosamente de Pigui. Vaidoso, em São Paulo adotou tranças e passava algumas horas no salão de beleza para deixar o cabelo do seu jeito. 
Avesso á redes sociais nunca teve Orkut, Facebook, MSM ou qualquer outra rede social. Nem mesmo um email. Gostava mesmo era do relacionamento físico, olho no olho. Curiosamente eu estava lhe enviando nos últimos meses via celular alguns links deste blog para que ele acompanhasse alguns acontecimentos de Chapada do Norte MG, e íamos comentando por mensagem. Infelizmente este ele não poderá receber.
Nos primeiros anos do seu retorno á capital paulista começou a sentir dores na coluna e anos depois uma infecção estomacal fez com que se tornasse rotineira sua ida á hospitais para consultas e bateria de exames e conseqüentemente foi internado por algumas vezes. Em 05 de Novembro problemas com a Hipertensão e renais agravaram seu quadro vindo a óbito 19 dias depois.
Deixando nos familiares e amigos lembranças de muitos momentos felizes, boas risadas e muitas histórias de alegria para serem recordadas sempre.
Gostaria de deixar registrado em meu nome e de todos os demais familiares nossos agradecimentos á todos os inúmeros chapadenses, paulistanos e amigos de outros estados que durante dias demonstraram toda a solidariedade e amizade através de orações, ligações, visitas, mensagens de apoio via Facebook e pelo aplicativo WhatsAPP, á todos que compareceram ao velório e sepultamento no Cemitério da Vila Alpina e á aqueles que compareceram ao Terço rezado em Chapada do Norte enquanto o sepultamento era realizado em São Paulo. E á todos que compareceram á Missa de Sétimo Dia celebrada pelo Padre Victor Hugo do Nascimento na Igreja do Rosário em Minas e na Igreja de Nossa Senhora de Fátima na Avenida Sapopemba pelo Frei Longanez em São Paulo. Enfim á todos que de alguma maneira estiveram ao nosso lado (mesmo que ausentes por motivos diversos) ajudando, apoiando ou enviando vibrações positivas durante estes dias que marcaram a passagem do meu irmão Emerson para uma nova vida!
Todo este apoio e a corrente de orações de várias igrejas e aquelas feitas individualmente no íntimo de cada um fizeram com que Emerson tivesse uma passagem serena e que permanecesse durante estes dias como se estivesse dormindo e que sua família se sentisse confortada neste momento em que se perde fisicamente um ente querido. Mas com a certeza que o mesmo nasceu para uma nova vida espiritual em outro plano!
Que Deus abençoe á todos!
Obs: No dia que retornava para Chapada do Norte MG, conversava com meu irmão Umberto e o meu sobrinho Allan na Rodoviária do Tietê, enquanto aguardava a hora do embarque e um rapaz desconhecido aproximou-se de nós e perguntou se podia sugerir um trecho da Bíblia. Respondi que sim. E ele disse: leiam Matheus 24, 6. Em casa minha irmã leu o trecho que diz: "Prestem atenção, e não fiquem assustados, pois essas coisas devem acontecer, mas ainda não é o fim"

(Exérquias/Padre Zezinho)

“Como nuvem passageira é nossa vida
E quem nos leva
Quem nos leva é o sopro do senhor
Acreditamos que ao senhor pertence tudo
O que ele fez, ele fez foi por amor

Como nuvem passageira é nossa vida
E não importa
Não importa nem dinheiro nem poder
Feliz daquele que ao chegar àquela hora
Está sereno e preparado para morrer

Somos todos como nuvem passageira
Não importa quantos anos viveremos
Ao chegar a nossa hora derradeira
O senhor perguntará o que fizemos

Lá no céu só vão entrar os amorosos
Os que amaram como Deus mandou amar
Quem lutou pra ver felizes outras pessoas
Eternamente lá no céu irá morar."
_____________________________________

"Por quê um jovem que vivia sorridente perde a sua vida assim tão de repente?
Logo um cara que adorava viver
Realmente é impossível entender
E nenhuma resposta vai ser capaz de trazer de novo a paz à família do rapaz
Nunca mais suas vidas serão como antes
E eles olham o seu retrato na estante
Aquele brilho no olhar e o jeitão de criança
Agora não passam de uma lembrança
E a esperança de que ele esteja bem, seja onde for, não diminui o vazio que ele deixou
É insuportável quando chega o seu aniversário
E as suas roupas no armário parecem esperar que ele volte de surpresa
Pra ocupar o seu lugar vazio à mesa
A tristeza às vezes é tão forte...*
A tristeza às vezes é tão forte que é mais fácil fingir que não houve morte
Porque sempre que ele chega pra matar as saudades
Ele vem com aquela cara de felicidade
Alegrando os sonhos e querendo dizer que a sua alma nunca vai envelhecer
E que sofrer não é a solução
É melhor manter acesa uma chama no coração
E a certeza na mente de que um dia se encontrarão novamente.' (Pra Onde Vai-Gabriel O Pensador)













































                                                                                            


































































 FOTOS: MAURÍCIO COSTA
             

Fotos: Mariana Carvalho, Avelina Pereira e Anna Paula Sousa


Foto: Jeane Mascarenhas


























Fotos: João Vicente Filho



Fotos: Carlos Soares


Foto: Sheila Santos










































Fotos: Carolina Dias


Foto: Andréia Jeová


Foto: Jaqueline Rocha



Fotos: Luciana Alves
Foto: Jemuel Camargos