Uma câmera na mão e um breve conhecimento na cabeça. Ou quase isso...

Parafraseando Glauber Rocha:"Uma câmera na mão e um breve conhecimento na cabeça". Ou quase isso.../Desde Fevereiro de 2015.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Trechos da Rodovia Federal BR 367 que ligam os municípios mineiros de Minas Novas, Chapada do Norte, Berilo e Virgem da Lapa no Vale do Jequitinhonha sofrem com descaso das autoridades



Os municípios mineiros de Chapada do Norte, Minas Novas, Berilo e Virgem da Lapa possuem algumas características comuns bem interessantes como as festas religiosas carregadas de fé e devoção dos fiéis, igrejas antigas, grupos folclóricos de bastante expressão musical, rico artesanato de palha, couro e barro, irmandades que difundem a histórias, danças, costumes e resistências dos antepassados negros, cultura muito forte, patrimônio material e imaterial de destaque no Estado, comunidades quilombolas... Mas ao mesmo tempo um outro ponto comum ás ligam de forma negativa: as estradas de terra da Rodovia Federal BR 367. Como sempre acontece em períodos de chuvas constantes o trecho da Rodovia BR 367 que liga principalmente os municípios de Minas Novas a Chapada do Norte , Chapada do Norte a Berilo e Berilo indo para Virgem da Lapa fica completamente intransitável  devido o péssimo estado de conservação das estradas de terra que nesta época transformam-se em um verdadeiro atoleiro. Essas situações trazem uma série de transtornos aos moradores destes municípios, pois eles ficam praticamente presos dentro de suas cidades já que a circulação de ônibus, caminhões e muitos outros carros é praticamente impossível ocasionando uma série de prejuízos. As escolas rurais são muito prejudicadas uma vez que os professores encontram dificuldades de chegar até as dependências das instituições de ensino que lecionam, feirantes ficam impossibilitados de trazer seus produtos para comercialização, caminhões baús ficam sem ter condições para entregar suas encomendas, o Correio não recebe produtos que foram enviados, vendedores comerciais não visitam essas cidades, viajantes e turistas não chegam na data prevista e várias outras ações param nesta época. Um problema que repete-se há décadas após décadas. Políticos destas regiões e em alguns casos pessoas da sociedade civil se mobilizam em ações tentando buscar soluções: reuniões, encontros, petições, negociações com autoridades representantes do Estado mineiro.  Moradores destes municípios realizaram recentemente dois manifestos para tentar chamar a atenção das autoridades do governo estadual para a realidade de descaso com a BR 367 que já atravessa décadas. Os taxistas da região em um curto espaço de tempo se vêem obrigados a trocar seu veículo de trabalho visto que em nossas estradas eles se desvalorizam e ficam estragados em pouco tempo. Até as pessoas com condições financeiras para adquirir um carro do ano e de luxo, dizem optar por um modelo inferior devido ás condições da nossa rodovia. Em 2011 fiz algumas fotografias no trecho entre Chapada do Norte e Berilo no percurso que fazia indo para a comunidade do Córrego do Rocha onde lecionava. As chuvas que caem são uma grande benção para a região do Vale do Jequitinhonha, mas as péssimas estradas não possuem estrutura para recebe-las. Mas o problema deste trecho da BR 367 não resume-se apenas ao período chuvoso (que infelizmente é escasso), durante a maioria do ano os habitantes das cidades que fazem uso destas estradas sofrem é com a poeira e os buracos que dificultam a circulação dos veículos que transitam por essas estradas. Sempre que aproxima-se as eleições para prefeito, governador e presidente é comum aparecerem candidatos afirmando que este trecho será asfaltado, mas até hoje ele está entregue a lama durante a chuva e a poeira e buracos durante boa parte do ano. E assim as estradas ruins desta rodovia vão causando prejuízos a economia, saúde, educação, esporte, lazer, cultura e em outros setores dos municípios aos quais elas dão acesso.
Mais fotografias no Flickr: https://flic.kr/s/aHsjTGnPAT
















































































Fotos: Maurício Costa